Vacinação contra a gripe

Vacine-se contra a gripe!
A maior pandemia que se tem na história da humanidade foi a gripe espanhola de 1918, durante a primeira grande guerra mundial. Conhecida como gripe espanhola porque teria começado na Espanha e percorrido o resto do mundo. Foram cerca de 100 milhões de mortes, o que correspondia na época a 5% da população mundial. Morreu cerca de 1/3 da população europeia. Avançou por todos os continentes e dizimou exércitos inteiros pela aglomeração dos soldados. Somente no Brasil foram 300 mil mortes, inclusive do Presidente da República na época, 1919, Rodrigues Alves. Personalidades da época também faleceram pela gripe, como a educadora Anália Franco. Surpreendentemente o vírus da época era o próprio vírus influenza A H1N1 que também em 2009 foi responsável pela pandemia da gripe suína, que na época se constituiu em alerta 6, máximo, pela OMS. Em 2016 voltamos a ter novos casos, inclusive com muitas mortes no Brasil. 12174 casos de gripe e 2220 óbitos notificados, 18% de mortalidade. E neste ano, embora não haja nenhum motivo para pânico, algumas evidências apontam para aumento de precaução principalmente nos extremos das idades, isto é, crianças e idosos, além de alguns grupos especiais (gestantes, pacientes com comorbidades, diabeticos, reumatológicos em vigência de terapia imunossupressora, pacientes oncológicos, cardiopatas e portadores de doenças pulmonares de base,como DPOC, asma e enfisema). As evidências são que os vírus já circulam por alguns estados brasileiros como foram notificadas a ocorrência de 8 mortes por H1N1 em Goiás, 2 casos recentes na cidade de Taubaté-SP, e na última semana, de acordo com Instituto Adolfo Lutz, 2 mortes em Rio Claro-SP, por H1N1. Aliado a isto nos EUA, como divulgado pela impressa, os vírus circularam em 49 estados americanos, 46 mil pacientes infectados, epidemia, e com mortalidade elevada. Destaca-se, ainda, que lá houve circulação também do vírus H3N2, além do H1N1 como ocorrido aqui em 2016. Assim, a considerar que o inverno ainda não começou e já termos casos desta gripe confirmada, isto exige uma precaução maior. Início súbito de febre alta e tosse, são sinais que diferenciam a gripe de um resfriado comum. Outros possíveis sintomas sao dor de garganta, diarreia e vômito, coriza e dor nas articulações. Como se previnir? Lavar as mãos frequentemente, cobrir a boca com um lenço ao tossir ou espirrar, uso máscaras, abrir portas e janelas para melhorar a ventilação, evitar aglomerados de pessoas e vacinação. Qual o melhor período para se vacinar? Antes do inverno, mas a vacinação pode acontecer em qualquer fase do ano. A vacina é segura? Sim, a vacina contém formas inativas dos vírus. No caso da vacina tetravalente que temos no CENTROCOR, ela contém 2 cepas do vírus A ( H1N1 e H3N2) e duas linhagens do vírus B conhecida como linhagem Victoria e Yamagata. Quais as reações da vacina? Normalmente não ocorre nenhuma reação, exceto dor eventual no local da picada e, muito esporadicamente, febrícula autolimitada. Quem não deve tomar a vacina da gripe? A vacina da gripe está indicada para todas as pessoas, a partir de 6 meses de vida, principalmente nas de maior risco como descrito. A vacina deve ser postergada somente se o paciente estiver com alguma condição clínica como pneumonia e com febre. Quem tomar a vacina da gripe não pega gripe? A vacina da gripe confere imunidade em torno de 70% em termos de proteção para os vírus inativos contidos na vacina, e esta proteção diminui ao longo de 1 ano, uma vez que especialmente o vírus influenza A, H1N1 e H3N2, são formas altamente mutantes de ano para ano, obrigando a revacinacão anual para garantir maior segurança. Assim, a vacina protege contra estas 4 formas mais graves da doença, mas o individuo ainda pode desenvolver outras gripes provocadas por vírus menos agressivo, menos letal, como apenas para citar, vírus sincicial respiratório, adenovírus, rinovírus, coksackie virus, etc, além dos resfriados, evidentemente, que também são causados por vírus.
Desta forma, concluo dizendo que a forma mais segura e impactante em termos de prevenção é a vacinação. Proteja-se!