Envelhecimento e aterosclerose

Envelhecer sem os riscos da aterosclerose é tema de grande interesse para a ciência.  Muitos anos se passaram até o conhecimento da teoria moderna da aterosclerose. O professor de Medicina da Harvard Medical School, Peter Libby, foca suas pesquisas no papel da inflamação nas doenças vasculares, especialmente a aterosclerose, área em que é pioneiro (N Engl J Med 1999; 340:115-126). Mais de dez anos se passaram e o entendimento da formação da placa de aterosclerose trouxe inúmeras inovações no campo da prevenção e do tratamento. No início dos anos 80, sabia-se da importância do colesterol no processo de obstrução dos vasos, mas, este processo ainda não era muito bem compreendido. Com os conhecimentos modernos, principalmente os advindos após as publicações do Professor Peter Libby, é que pode se entender, por exemplo, como praticamente metade dos pacientes que enfartam, possuem níveis médios de colesterol abaixo da média populacional, e que a existência de outros fatores está envolvida na gênese da aterosclerose, que não exclusivamente o colesterol. Hoje se sabe que é a partir da oxidação da fração LDL do colesterol, rica em colesterol livre e esterificado, que ocorrem os mecanismos de aterosclerose, e que os outros fatores tais como diabetes, hipertensão arterial, tabagismo, etc. podem provocar ativação da oxidação de LDL, promovendo inflamação e formação da placa de ateroma, que determina a oclusão do vaso e consequente infarto.