Envelhecimento e aterosclerose

Envelhecer sem os riscos da aterosclerose é tema de grande interesse para a ciência.  Muitos anos se passaram até o conhecimento da teoria moderna da aterosclerose. O professor de Medicina da Harvard Medical School, Peter Libby, foca suas pesquisas no papel da inflamação nas doenças vasculares, especialmente a aterosclerose, área em que é pioneiro (N Engl J Med 1999; 340:115-126). Mais de dez anos se passaram e o entendimento da formação da placa de aterosclerose trouxe inúmeras inovações no campo da prevenção e do tratamento. No início dos anos 80, sabia-se da importância do colesterol no processo de obstrução dos vasos, mas, este processo ainda não era muito bem compreendido. Com os conhecimentos modernos, principalmente os advindos após as publicações do Professor Peter Libby, é que pode se entender, por exemplo, como praticamente metade dos pacientes que enfartam, possuem níveis médios de colesterol abaixo da média populacional, e que a existência de outros fatores está envolvida na gênese da aterosclerose, que não exclusivamente o colesterol. Hoje se sabe que é a partir da oxidação da fração LDL do colesterol, rica em colesterol livre e esterificado, que ocorrem os mecanismos de aterosclerose, e que os outros fatores tais como diabetes, hipertensão arterial, tabagismo, etc. podem provocar ativação da oxidação de LDL, promovendo inflamação e formação da placa de ateroma, que determina a oclusão do vaso e consequente infarto.

O que é preciso saber sobre infarto agudo do miocárdio?

O que é o infarto agudo do miocárdio?

O miocárdio é o musculo do coração que trabalha bombeando o sangue para todo o organismo. O coração para exercer sua função de bomba recebe os nutrientes, entre eles, o oxigênio, por meio das artérias coronárias. Assim quando ocorre uma parada no suprimento destes nutrientes ao coração devido a algum entupimento da artéria coronária, o músculo cardíaco entra em sofrimento e algumas de suas células começam a morrer, o que caracteriza o infarto agudo do miocárdio.

Quais são os sintomas do infarto?

O principal sintoma é o aparecimento de dor no peito, súbita e intensa, como se tivéssemos sofrido um aperto, uma sensação de peso, associada muitas vezes a suor frio, náuseas e/ou vômitos. A dor pode subir pelo ombro, braço esquerdo ou costas.

Quais são as pessoas que apresentam maiores chances de ter um infarto?

As pessoas com maior risco para o infarto agudo do miocárdio são aquelas que apresentam os chamados fatores de risco para a doença da artéria coronária, tais como diabetes, pressão arterial alta, tabagismo, colesterol elevado, sedentarismo, idade avançada, história de infarto na família, obesidade, estresse diário, entre outros.

O que devemos fazer diante de uma pessoa com sintomas sugestivos de infarto?

Devemos inicialmente tranquiliza-la e imediatamente procurar assistência médica no pronto socorro mais próximo de sua residência.

O infarto pode ser prevenido?

A adoção de medidas preventivas pode reduzir muito o risco de infarto, especialmente aquelas relacionadas à mudança do estilo de vida. Assim, abandono do vício de fumar, prática diária de exercício físico, alimentação adequada evitando gorduras e priorizando verduras e legumes, constituem-se em hábitos saudáveis.

Pratique saúde, converse com seu médico e tire suas dúvidas!

O que é preciso saber sobre angina do peito?

O que é angina do peito?

Angina é uma palavra do latim, angor, o mesmo que dor. No caso, angina do peito refere-se a dor proveniente do coração. A angina acontece quando o coração entra em sofrimento temporário devido uma diminuição no suprimento de nutrientes importantes para seu trabalho de bombeamento. Os nutrientes, entre eles, o oxigênio, são transportados para o coração através das artérias chamadas coronárias. Quando a interrupção neste suprimento é incompleta, o paciente apresenta angina do peito. Nos casos da interrupção completa, ocorre o infarto agudo do miocárdio.

Como as pessoas podem perceber que estão com angina?

As pessoas podem perceber que estão com angina quando apresentam sensação de dor no peito, aperto, sufocamento, falta de ar ou fôlego curto, com duração de até 10 a 15 minutos. Na maioria das vezes, a angina ocorre após algum esforço físico, podendo, entretanto, aparecer mesmo em repouso, sendo neste caso, mais grave. Pode estar associada a suor frio, palidez, náuseas e/ou vômitos. A dor pode se localizar no ombro, braço esquerdo ou costas.

Quais são as pessoas que apresentam maiores chances de ter angina?

As pessoas com maiores possibilidades para terem angina são aquelas que apresentam os chamados fatores de risco para doença da artéria coronária, tais como pressão arterial alta, colesterol elevado, tabagismo, sedentarismo, história de infarto na família, obesidade, estresse diário, idade avançada, diabetes, entre outros.

O que devemos fazer diante uma pessoa com angina do peito?

Devemos tranquilizá-la e imediatamente procurar o serviço médico mais próximo.

O que pode acontecer a uma pessoa com angina se não adequadamente tratada?

Se uma pessoa com angina não for adequadamente tratada ela pode ter um infarto e até morrer.

A angina pode ser prevenida?

À semelhança de outras doenças, como o próprio infarto, a adoção de medidas preventivas, especialmente aquelas relacionadas à mudança do estilo de vida, constitui-se na forma mais eficiente de evitar o aparecimento da angina.

Deixe o seu coração bater com saúde. Faça prevenção!

Charles Chaplin e a Sífilis

Você sabia que o gênio do cinema mudo, Charles Chaplin, exibia propositalmente uma marcha de base alargada, muito característica e peculiar nos seus filmes, descrita neurologicamente como marcha atáxia-talonante? O objetivo do ator, cineasta, dançarino, diretor e produtor inglês, era chamar à atenção da sociedade e das autoridades sanitárias da época da revolução industrial, para a epidemia de sífilis que molestava centenas e milhares de pessoas pelo seu acometimento neurológico tardio, fase terciária, isto é, pacientes infectados e doentes já há cerca de 20 ou 30 anos sem tratamento.

Eletrocardiograma: um invento antigo e um exame atual

Você sabia que o eletrocardiograma fez aniversário de 100 anos há pouco tempo e que embora tenha sido desenvolvido ainda do século XIX, ele continua sendo um dos mais importantes e atuais exames na sala de emergência para os pacientes com dor no peito? De acordo com estudo americano envolvendo milhares de pacientes, publicado há alguns anos na literatura médica (NEJM: 342:1163-70), destacou-se que para um grupo específico de pacientes, como jovens do sexo feminino, diabéticos e idosos com manifestação incomum de infarto, e que vieram a falecer após serem liberados para casa, tiveram as análises de seus eletrocardiogramas subvalorizadas na sala de emergência.